O corpo humano divide-se em: cabeça, pescoço, tronco e membros.

A cabeça corresponde à extremida­de superior do corpo estando unida ao tronco por uma porção estreitada, o pescoço.

O tronco compreende o tórax, abdome, pelve e sua região posterior, o dorso.

Dos membros, dois são superiores ou torácicos e dois inferiores ou pélvicos.

Na transição entre o braço e o antebraço há o cotovelo; entre o antebraço e a mão, o punho; entre a coxa e a perna, o joelho, e entre a perna e o pé, o tornozelo.

A região posterior do pescoço é deno­minada nuca e a do tronco, dorso.

As nádegas corres­pondem a região glútea.

Homem Vitruviano

Feito por Leonardo da Vinci por volta de 1490 baseando-se no conceito exposto na obra “Os dez livros da Arquitetura”, escrito pelo arquiteto romano Marcus Vitruvius Pollio.

O homem descrito por Vitruvius apresenta-se como um modelo ideal para o ser humano, cujas proporções são perfeitas, segundo o ideal clássico de beleza.

O desenho também é considerado como um símbolo da simetria básica do corpo humano e, para extensão, para o universo como um todo.

Esse desenho é usado até hoje por ilustradores para aprender a proporção humana, como se fosse um guia universal de ilustração.

No entanto para os dias atuais, as proporções e identificações no corpo humano são baseadas na posição anatômica.

Posição Anatômica

Para evitar o uso de termos diferentes nas des­crições anatômicas, considerando-se que a posição po­de ser variável, optou-se por uma posição padrão, de­nominada posição anatômica.

Deste modo, os anatomistas, quando es­crevem seus textos, referem-se ao objeto de descrição considerando o indivíduo na posição padronizada. 

A posição anatômica é descrita como:

Indivíduo em posição ereta (em pé, posição ortostática ou bípede);

Com a face vol­tada para frente;

O olhar dirigido para o horizonte;

membros superiores estendidos, ao longo do tronco e com as palmas voltadas para frente;

membros inferiores unidos, com as pontas dos pés dirigidas para frente.

Não importa, portanto, que o cadáver esteja sobre a mesa em decúbito dorsal (com o dorso acolado à mesa), decúbito ventral (com o ventre acolado à me­sa) ou decúbito lateral (de lado): as descrições anatômicas são sempre feitas considerando o indivíduo em posição anatômica.

Representação da posição anatômica

Para os animais quadrúpedes, a posição ana­tômica refere-se ao animal na sua posição ordinária, com os quatro membros estendidos firmemente sobre o solo.

Planos de secção do corpo humano

Sagital

A) O plano que divide o corpo humano em meta­des direita e esquerda de tamanhos idênticos é denominado sagital mediano.

Quando divide o corpo humano em meta­des direita e esquerda de tamanhos diferentes é denominado sagital paramediano.

Toda secção do corpo feita por pla­nos paralelos ao mediano é uma secção sagital (corte sagital) e os planos de secção são também chamados sagitais.

Plano sagital mediano, que divide o corpo em duas metades idênticas.

Frontal

B) Os planos de secção que são paralelos aos planos ventral e dorsal são ditos frontais e a secção é também denominada frontal ou coronal (corte frontal ou coronal).

Como já foi assinalado, o plano ven­tral (ou anterior) é tangente à fronte do in­divíduo, donde o adjetivo — frontal.

Plano de secção frontal ou coronal, que divide o corpo em anterior e posterior

Transversal

C) Os planos de secção que são paralelos aos pla­nos cranial, podálico e caudal são horizontais.

A secção é denominada transversal / axial / horizontal (corte transversal ou axial ou ainda horizontal).

Os três termos podem ser usados. 

Plano de secção transversal, axial ou horizontal, que divide o corpo em superior e inferior.

Oblíquos

D) Os cortes oblíquos são “fatias” do corpo ou de qualquer uma de suas partes que não são feitas ao longo de um dos planos anatômicos já mencionados.

É um plano longitudinal ou transverso, que está angulado ou inclinado (diagonal) e não paralelo aos planos sagital, coronal ou axial.

Na prática, muitas imagens radiológicas e cortes anatômicos não são feitos exatamente nos planos sagital, frontal ou transverso.

As vezes, são feitas em oblíquos.

Plano de secção oblíquo, que é feito angulado ou inclinado.

Referências Bibliográficas

BONTRAGER: Kenneth L.;  John P.  Manual Prático de Técnicas e Posicionamento Radiográfico. 8 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2015.

DRAKE, Richard L.; VOGL, A. Wayne; MITCHEL, Adam W. M.: Gray’s anatomia clínica para estudantes. 3 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2015.

HALL, John Edward; GUYTON, Arthur C. Guyton & Hall tratado de fisiologia médica. 13 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2017.

NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5 ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011.

MOORE: Keith L. Anatomia orientada para a clínica. 7 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2014.

SOBOTTA: Sobotta J. Atlas de Anatomia Humana. 21 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000.

Gostou do conteúdo? Ajude-nos compartilhando em suas redes sociais.

Deixe uma resposta

Fechar Menu
Scroll Up