O estômago é um órgão digestivo intraperitoneal localizado entre o esôfago e o duodeno .

Tem uma forma de ‘J’ e apresenta uma curvatura menor e maior. 

As superfícies anterior e posterior são suavemente arredondadas com uma cobertura peritoneal.

O estômago está dentro do aspecto superior do abdôme. 

Encontra-se principalmente nas regiões epigástrica e umbilical, no entanto, o tamanho exato, a forma e a posição do estômago podem variar de pessoa para pessoa e com a posição e a respiração.

 

Tem como funções:

  • Misturar a saliva, os alimentos e o suco gástrico para formar o quimo.

  • Serve como reservatório para o alimento antes da liberação para o intestino delgado.

  • Secreta suco gástrico, que contém HCl (mata bactérias e desnatura proteínas), pepsina (começa a digestão de
    proteínas), fator intrínseco (auxilia na absorção de vitamina B12) e lipase gástrica (auxilia na digestão de
    triglicerídios).

  • Secreta gastrina no sangue.

Estrutura Anatômica

O estômago tem quatro principais divisões anatômicas; cárdia, fundo, corpo e piloro:

 

  • Cárdia – envolve a abertura superior do estômago no nível T11.

  • Fundo – a parte arredondada, geralmente cheia de gás, superior e esquerda da cárdia.

  • Corpo – a grande porção central inferior ao fundo.

  • Piloro – Esta área conecta o estômago ao duodeno. 

 

É dividido no antro pilórico, no canal pilórico e no esfíncter pilórico. 

O esfíncter pilórico demarca o plano transpilórico no nível de L1.

Curvaturas maior e menor

As bordas medial e lateral do estômago são curvas, formando as  curvaturas maior e menor:

 

  • Curvatura maior – forma a borda lateral longa e convexa do estômago. 

Surgindo no entalhe cardíaco, arqueia para trás e passa inferiormente para a esquerda. 

Ele se curva para a direita enquanto continua medialmente para alcançar o antro pilórico. 

As artérias gástricas curtas e as artérias gastro-omentais direita e esquerda fornecem ramos para a maior curvatura.

 

  • Curvatura menor – forma a superfície medial mais curta, côncava e do estômago. 

A parte mais inferior da curvatura menor, o entalhe angular, indica a junção do corpo e a região pilórica. 

A curvatura menor dá aderência ao ligamento hepatogástrico e é suprida pela artéria gástrica esquerda e pelo ramo gástrico direito da artéria hepática.

NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5 ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011.

Esfíncteres

Existem dois esfíncteres do estômago, localizados em cada orifício. 

Eles controlam a passagem do material que entra e sai do estômago.

 

Esfíncter Esofágico Inferior 

O esôfago passa através do diafragma através do hiato esofágico no nível de T10. 

Ele desce uma curta distância do  esfíncter esofágico inferior no nível T11, que marca o ponto de transição entre o  esôfago  e o estômago (em contraste com o esfíncter esofágico superior, localizado na faringe). 

Permite que os alimentos passem pelo orifício cardíaco e entrem no estômago e não estão sob controle voluntário.

Esfíncter pilórico

O esfíncter pilórico fica entre o piloro e a primeira parte do duodeno

Controla a saída do quimo (mistura de alimentos e ácido gástrico) do estômago.

Em contraste com o esfíncter esofágico inferior, este é um  esfíncter anatômico

Contém músculo liso, que se restringe a limitar a descarga do conteúdo estomacal através do orifício.

O esvaziamento do estômago ocorre intermitentemente quando a pressão intragástrica  supera a resistência do piloro. 

O piloro é normalmente contraído para que o orifício seja pequeno e os alimentos possam permanecer no estômago por um período adequado. 

O peristaltismo gástrico empurra o quimo através do canal pilórico para o duodeno para posterior digestão.

NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5 ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011.

Parede e camadas

A parede do estômago está formada pelas seguintes partes:

  • Túnica mucosa: A camada mais interna, onde as enzimas digestivas e o ácido estomacal são produzidos.

A maioria dos cânceres de estômago se iniciam nesta camada.

A mucosa é formada por um epitélio colunar simples, que é coberto por uma camada mucosa alcalina protetora.

A camada epitelial contém numerosas invaginações, conhecidas como criptas gástricas, que se estendem mais profundamente em estruturas denominadas glândulas gástricas.

  • Tela submucosa: A camada de suporte.

  • Túnica muscular “Muscularis Própria”: Uma espessa camada de músculo que mistura o conteúdo do estômago.

  • Tela subserosa e Túnica Serosa: Duas camadas exteriores, que revestem o estômago.

TORTORA, Gerard. J.; DERRICKSON, Bryan. Princípios de Anatomia e fisiologia. 14. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2016.

Túnica muscular

Formada por dois ou três estratos/camadas:

  • Longitudinal, externa;

  • Circular, média;

  • Oblíqua, interna.

NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5 ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011.

Ligamentos

Existem quatro:

  • Ligamento hepatogástrico (omento menor): contém a artéria gástrica esquerda e o ramo gástrico direito da artéria hepática;

  • Ligamento gastrofrênico: do fundo gástrico até o diafragma;

  • Ligamento gastroesplênico/gastrolienal: parte cranial do corpo até o baço;

  • Gastrocólico: da curvatura maior do estômago ao cólon transverso.

NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5 ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011.
NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5 ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011.

Vascularização

O suprimento arterial para o estômago provém do  tronco celíaco  e de seus ramos. 

As anastomoses se formam ao longo da menor curvatura pelas artérias gástricas direita e esquerda  e ao longo da maior curvatura pelas  artérias gastro-omentais direita e esquerda:

  • Gástrico direito – ramo da artéria hepática comum, que surge do tronco celíaco.

  • Gástrico esquerdo – surge diretamente do tronco celíaco.

  • Gastro-omental direito – ramo terminal da artéria gastroduodenal, que surge da artéria hepática comum.

  • Gastro-omental esquerdo – ramo da artéria esplênica, que surge do tronco celíaco.

As veias do estômago correm paralelas às artérias. 

As veias gástricas direita e esquerda drenam para a veia porta hepática

A veia gástrica curta, as veias gastro-omentais esquerda e direita acabam drenando para a veia mesentérica superior.

NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5 ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011.
NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5 ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011.

Inervação

O estômago recebe inervação do sistema nervoso autônomo:

  • O suprimento nervoso parassimpático surge dos troncos vagais anteriores e posteriores, derivados do nervo vago originado os troncos vagais anterior e posterior.

  • O suprimento nervoso  simpático surge dos segmentos da medula espinhal T6-T9 e passa para o plexo celíaco através do nervo esplâncnico maior e é distribuída pelos plexos ao redor das artérias gástricas e gastromentais. 

Ele também carrega algumas fibras transmissoras de dor.

MOORE: Keith L. Anatomia orientada para a clínica. 7 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2014.
MOORE: Keith L. Anatomia orientada para a clínica. 7 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2014.

Referências Bibliográficas

DRAKE, Richard L.; VOGL, A. Wayne; MITCHEL, Adam W. M.: Gray’s anatomia clínica para estudantes. 3 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2015.

HALL, John Edward; GUYTON, Arthur C. Guyton & Hall tratado de fisiologia médica. 13 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2017.

NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5 ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011.

MOORE: Keith L. Anatomia orientada para a clínica. 7 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2014.

SOBOTTA: Sobotta J. Atlas de Anatomia Humana. 21 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000.

TORTORA, Gerard. J.; DERRICKSON, Bryan. Princípios de Anatomia e fisiologia. 14. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2016.

Gostou do conteúdo? Ajude-nos compartilhando em suas redes sociais.
Scroll Up