As meninges são formadas por tecido conjuntivo, revestem a parte central do sistema nervoso. 

 

São três camadas meníngeas: 

Dura-máter (externa), aracnóide-máter (intermédia) e a pia-máter (interna). 

 

As três meninges são encontradas revestindo do encéfalo e a medula espinal, contudo, a disposição delas é diferente quando revestem o encéfalo e a medula espinal.

A dura-máter é denominada de paquimeninge (paqui – espessa, dura). 

A aracnoide-mater e a pia-máter são as leptomeninges (lepto – delgado).

NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5 ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011.

Parte encefálica das meninges

Dura-máter: apresenta dois folhetos, um interno e outro externo. 

O folheto externo da dura-máter reveste a cavidade craniana, não existindo espaço entre a dura-máter e o crânio.

Esse folheto forma o periósteo (sem a propriedade osteogênica). 

O folheto interno forma projeções, denominadas de pregas da dura-máter. 

 

As pregas da dura-máter são: a foice do cérebro (septo de conjuntivo que ocupa a fissura longitudinal do cérebro), a foice do cerebelo (septo entre os hemisférios cerebelares), o tentório do cerebelo (septo que separa o lobo occipital do cerebelo), e o diafragma da sela (pequena prega que reveste superiormente a hipófise).

Entre os folhetos da dura-máter se formam canais venosos para a drenagem do encéfalo (os seios de dura-máter são descritos no capítulo de vascularização do sistema nervoso).

O tentório do cerebelo apresenta em sua margem anterior uma incisura, permitindo a comunicação do mesencéfalo com o diencéfalo. 

A área abaixo do tentório do cerebelo é denominada de compartimento infratentorial (contendo o tronco encefálico e o cerebelo), a área acima é o compartimento supratentorial (contendo o cérebro).

 

Aracnóide-máter: está separada da dura-máter pelo espaço subdural (que contém uma quantidade capilar de líquido cerebrospinal) e, separada da pia-máter pelo grande espaço subaracnóideo (com considerável quantidade de líquido cerebrospinal). 

A distância entre a aracnóide-máter e a pia-máter pode variar na cavidade craniana, em alguns pontos a distância aumenta consideravelmente, formando as cisternas aracnóideas. 

A cisterna mais importante é a cisterna magna, localizada entre a face inferior do cerebelo e a face posterior do bulbo. 

Na superfície da aracnóide-máter são encontradas as granulações aracnóideas, responsáveis pela absorção do líquido cerebrospinal.

 

Pia-máter: reveste a superfície do encéfalo, os vasos saguíneos ficam superficialmente a pia-máter. 

Não existe espaço entre o tecido nervoso e a pia-máter.

NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5 ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011.
NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5 ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011.

Parte espinal das meninges

Revestindo a medula espinal as meninges se dispõem formando espaços

A dura-máter não está em contato com as vértebras, desta forma, forma-se o espaço extradural (epidural), contendo gordura e o plexo venoso vertebral interno. 

Entre a dura-máter e a aracnóide-máter está localizado o espaço subdural (que contém quantidade capilar de líquido cerebrospinal, mantendo adesão entre as meninges). 

Entre a aracnóide-máter e a pia-máter está o espaço subaracnóideo, que se comunica com o espaço subaracnóideo encefálico. 

Abaixo do cone medular a distância entre a pia-máter e a aracnóide-mater aumenta, formando a cisterna lombar

A pia-máter reveste a superfície da medula espinal e não há formação de espaço entre elas.

NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5 ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011.
NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5 ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011.

Referências Bibliográficas

BONTRAGER: Kenneth L.;  John P.  Manual Prático de Técnicas e Posicionamento Radiográfico. 8 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2015.

DRAKE, Richard L.; VOGL, A. Wayne; MITCHEL, Adam W. M.: Gray’s anatomia clínica para estudantes. 3 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2015.

HALL, John Edward; GUYTON, Arthur C. Guyton & Hall tratado de fisiologia médica. 13 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2017.

KANDEL, E.R.; SCHWARTZ, J.H.; JESSELL, T.M. Princípios da Neurociência. São Paulo: Manole, 2003.

NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5 ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011.

NOBESCHI: L.  Anatomia do Sistema Nervoso. 1 ed. São Paulo, 2010.

MACHADO, Angelo B.M.; HAERTEL, L. M.  Neuroanatomia funcional. 3 ed. São Paulo: Atheneu, 2006.

MOORE: Keith L. Anatomia orientada para a clínica. 7 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2014.

SOBOTTA: Sobotta J. Atlas de Anatomia Humana. 21 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000.

Gostou do conteúdo? Ajude-nos compartilhando em suas redes sociais.
Fechar Menu
Scroll Up