Tíbia e fíbula são dois ossos longos, fortemente unidos, os quais, com a membrana interóssea distendida entre eles, formam o esqueleto da perna.

A tíbia é me­dial e mais robusta que a fíbula, articulando-se com o fêmur pela sua extremidade proximal.

Distalmente, entretanto, ambos os ossos articulam-se com o tálus embora a tíbia seja a responsável direta pela transmissão do peso àquele osso.

Diferencie na figura: tíbia e fíbula (vista anterior).

Tíbia

Observe como a extremidade proximal da tíbia se expande para constituir uma plataforma destinada a articular-se com a extremidade distal do fêmur.

Logo abaixo da localização da patela no joelho humano, encontra-se a tuberosidade da Tíbia – uma grande elevação oblonga onde se insere o ligamento patelar.

Esta plataforma está constituí­da pelos côndilos medial e lateral da tíbia que apre­sentam faces articulares na sua parte superior, separadas por uma elevação mediana, a eminência intercondilar.

Na verdade, esta projeção mediana está constituída de dois tubérculos, o intercondilar medial e o intercondilar lateral.

Observe a presen­ça de 2 áreas, respectivamente, ante­rior e posterior à eminência intercondilar:

A anterior é maior, triangular, denominada área intercondilar anterior;

A posterior é menor, estreitada, área intercondilar posterior.

MMII-47
NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5 ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011.

Basicamente o corpo da tíbia tem for­ma triangular apresentando portanto 03 margens:

Anterior, muito proeminente e subcutânea, me­dial e lateral, que delimitam as 03 faces, medial, lateral e posterior.

Devido à posição do osso, pode-se palpar facilmente, não só a margem anterior como também a face medial do corpo da tíbia no vivente.

Observe como a margem lateral é cortante: aí se prende a membrana interóssea, e por esta razão, esta  é também conhecida como margem interóssea.

A margem anterior, muito nítida nos 2/3 proximais, ate­nua-se no terço distal, e inclusive sofre um desvio medial, fazendo com que a face lateral, nesta região venha a ocupar uma posição ligeiramente anterior.

Na parte mais superior da face posterior note a presença de uma crista pouco marcada que, partindo da face articular fibular cruza medial e obliquamente a face posterior para alcançar a margem medial: é a linha do músculo sóleo (linha solear). 

SOBOTTA: Sobotta J. Atlas de Anatomia Humana. 21 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000.

A extremidade distal da tíbia é uma continuação direta do corpo do osso que, estreitado na junção do terço médio com o dis­tal, vai se alargando para constituir aquela extremi­dade.

Assim, observe que a face medial do corpo termina expandindo-se numa robusta projeção óssea, o maléolo medial, facilmente palpável sob a pele, ao nível do tornozelo.

Na parte posterior do maléolo medial está presente o sulco maleolar, no qual se aloja o tendão do m. tibial posterior.

A face lateral do maléolo é lisa, articu­la-se com o tálus e recebe o nome de face articular do maléolo.

Note que ela é contínua com a face ar­ticular inferior da extremidade distal da tíbia, retangular, também destinada a articular-se com o tá­lus.

Finalmente, observe que a face lateral da epí­fise distal é marcada pela presença de uma incisura, a incisura fibular, que recebe a extremidade distal da fíbula.

MMII-48
NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5 ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011.

Fíbula

É um osso longo, muito me­nos volumoso que a tíbia com a qual se articula proximal e distalmente.

Observe sua extremidade superior (na figura), constituída pela cabeça da fíbula e identifique, na sua superfície medial, uma faceta oval, situada posteriormente, destinada à articulação com a face articular fibular do côndilo lateral da tíbia: é a face articular da cabeça da fíbula.

SOBOTTA: Sobotta J. Atlas de Anatomia Humana. 21 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000.

O corpo da fíbula, bastante delgado, está unido à extremidade proximal por uma zona es­treitada, o colo, de limites imprecisos, e apresenta-se ligeiramente torcido em espiral.

Por esta razão, das suas três bordas (interóssea, anterior e posterior), somente a primeira pode ser identifica­da com facilidade.

Como o nome indica, prende-se aí a membrana interóssea.

A extremidade distal da fíbula tem forma triangular e sua superfície lateral é subcutânea, facilmente palpável no nível do torno­zelo e termina em ponta, constituindo o maléolo late­ral.

Na verdade, pode-se dizer que a extremidade distal da fíbula é o maléolo lateral.

Na sua superfí­cie medial nota-se uma face articular para a ar­ticulação com o tálus e, posteriormente a ela, a fossa do maléolo lateral.

Observe que não há uma face articular para a articulação com a tíbia: a região situada acima da face articular do maléolo, justapõe-se à incisura fibular.

Este detalhe pode ser melhor examinado em um esqueleto articulado.

MMII-47
NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5 ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011.

Referências Bibliográficas

BONTRAGER: Kenneth L.;  John P.  Manual Prático de Técnicas e Posicionamento Radiográfico. 8 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2015.

DRAKE, Richard L.; VOGL, A. Wayne; MITCHEL, Adam W. M.: Gray’s anatomia clínica para estudantes. 3 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2015.

HALL, John Edward; GUYTON, Arthur C. Guyton & Hall tratado de fisiologia médica. 13 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2017.

NETTER: Frank H. Netter Atlas De Anatomia Humana. 5 ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011.

MOORE: Keith L. Anatomia orientada para a clínica. 7 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2014.

SOBOTTA: Sobotta J. Atlas de Anatomia Humana. 21 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000.

Gostou do conteúdo? Ajude-nos compartilhando em suas redes sociais.
Fechar Menu
Scroll Up